Distribuição de Máscaras de Proteção Facial

De acordo com as novas diretivas da OMS – Organização Mundial da Saúde, adotadas pela DGS – Direção Geral da Saúde, o uso de máscara de proteção facial é recomendada como medida complementar para limitar a transmissão de SARS-CoV-2 na comunidade.

O Serviço Municipal de Proteção Civil da Lourinhã tem máscaras, não cirúrgicas em TNT e reutilizáveis, elaboradas voluntariamente por particulares e empresas do Concelho.

Considerando a maior proximidade das Juntas de Freguesias estas são parceiros na distribuição destas máscaras à população. Para solicitar a sua máscara dirija-se à Junta de Freguesia da sua residência. Na Freguesia de Lourinhã e Atalaia peça a sua máscara na sede da Junta de Freguesia na Vila da Lourinhã ou telefone para o número 91 460 15 51.

A DGS através do comunicado 009/2020 informa que aplicando-se o Princípio da Precaução em Saúde Pública, é de considerar o uso de máscaras por todas as pessoas que permaneçam em espaços interiores fechados com múltiplas pessoas, como medida de proteção adicional ao distanciamento social, à higiene das mãos e à etiqueta respiratória. Deve ser lembrado que a utilização de máscaras pela população implica o conhecimento e domínio das técnicas de colocação, uso e remoção, e que a sua utilização não pode, de forma alguma, conduzir à negligência de medidas fundamentais como o distanciamento social e a higiene das mãos.

De acordo com o Princípio da Precaução em Saúde Pública, e face à ausência de efeitos adversos associados ao uso de máscara, deve ser considerada a utilização de máscaras por qualquer pessoa em espaços interiores fechados com múltiplas pessoas (supermercados, farmácias, lojas ou estabelecimentos comerciais, transportes públicos, etc).

O uso de máscaras na comunidade constitui uma medida adicional de proteção, pelo que não dispensa a adesão às regras de distanciamento social, de etiqueta respiratória, de higiene das mãos e a utilização de barreiras físicas, tendo que ser garantida a sua utilização adequada.

Segundo o ECDC, não existe evidência científica direta que permita emitir uma recomendação a favor ou contra a utilização de máscaras não cirúrgicas ou comunitárias, pela população. Assim, por forma a garantir a priorização adequada da utilização de máscaras cirúrgicas, as máscaras não cirúrgicas (comunitárias ou de uso social) podem ser consideradas para uso comunitário nas situações aqui identificadas.